Em adaptação na Arábia, Ricardinho diz sobre Ceará: "Quero voltar um dia"

Ricardinho agora tenta mostrar o potencial em campo na Arábia Saudita. Após assinar com o Al-Ettifaq, clube que disputa a primeira divisão do Campeonato Saudita, ele se adapta a passos curtos a um novo país. Ricardinho era um dos pilares do Ceará, sendo o destaque do time de Porangabuçu no título da Copa do Nordeste e na campanha complicada na Série B do Brasileiro.

Em entrevista ao GloboEsporte.com/ce, o ex-meia do Ceará agradece aos companheiros no time de Porangabuçu, aos dirigentes e, principalmente, aos torcedores do Alvinegro. Ele também comenta sobre a boa expectativa para jogar no clube saudita. O contrato é até 2018. E confessa que tem ajudantes no outro país para tentar se fixar de forma mais rápida e indolor.

Confira entrevista com o meia Ricardinho:

Quais suas primeiras impressões na Arábia Saudita? Questão de cultura e forma de trabalho do clube. Algo te assustou em outro país?

As melhores expectativas possíveis. Claro que é diferente tudo, mas tenho de me adaptar o mais rápido possível. Por exemplo, aqui eu que tenho de levar a roupa para lavar em casa e deixar tudo pronto para o outro dia. O que eu estranhei mais foi o hábito de comer com a mão. Depois do choque inicial, eu comi numa boa.

Como você está saindo do Ceará? A sensação de deixar o clube. O que diria para a torcida e para os profissionais do clube?

arinho pelos companheiros de clube, diretoria, funcionários, imprensa e principalmente essa torcida que ao longo dos tempos conquistou meu coração pela sua fidelidade e amor. Hoje é um dia diferente na minha vida. Fico com o coração partido por sair. Uma nova porta se abriu e, muitas vezes, algumas oportunidades temos de agarrar pelo bem das pessoas que amamos. Foram dias maravilhosos de alegrias e algumas tristezas, mas vivi tudo intensamente e me dediquei ao máximo em cada momento. Obrigado por tudo o que me proporcionaram, certamente ficarão marcados na minha história. De longe continuarei sempre na torcida pelo "Mais Querido", o Vozão. "Quer jogar, quer jogar, Ricardinho vai te ensinar", jamais vou esquecer essa música. Faltam até palavras para descrever o meu sentimento por vocês, com certeza quero voltar para o Ceara um dia.

Qual seu momento mais especial com o Ceará: o título da Copa do Nordeste ou a arrancada na Série B?

Melhor momento foi o título da Copa do Nordeste e ter sido escolhido o melhor do campeonato. Mas a arrancada no fim do Campeonato Brasileiro e ter livrado o time  do rebaixamento se tornou algo muito especial. Foi uma emoção única que vivi, me emocionei muito depois do jogo porque foram meses de aflição.

Você assinou contrato até maio de 2018. Qual sua expectativa no Al-Ettifaq?

 Minha expectativa aqui  é a melhor possível. Espero conseguir o acesso e levar o time a conquistar títulos. Somente assim ficarei na história do clube. Tenho de fazer minha parte e ajudar dentro de campo com gols, assistências e para manter aquilo que eu vinha fazendo no Ceará. Lógico com a ajuda de todos é muito importante. Ir bem aqui irá abrir portas para mais brasileiros.

 

Você falou que conversou com um brasileiro que joga vôlei na mesma cidade que você vai morar. Quais dicas ele te passou?

 

Sim. Conheci  o Douglas através do Sandro Manoel, um cara gente boa demais tem me ajudado muito. Outro que está sendo muito importante é o preparador de goleiros do time, o Fernando. Ele está me ajudando em tudo no clube, como se fosse meu tradutor, e irá me ajudar mais. Tenho certeza.

 

Voltar