No Santa Cruz, Robinho espera "guerra" contra Operário-PR

Mais do que tecnicamente, o Santa Cruz precisa superar o Operário-PR fisicamente, no jogo que decide vaga para a Série B do ano que vem. Após vencer em casa, por 1 a 0, o Tricolor busca ao menos um empate na casa do adversário, em Ponta Grossa, para garantir o acesso. O atacante Robinho está preparado para a "guerra", como ele definiu o confronto. E não se intimida com a agressividade por parte da equipe paranaense, no Estádio Germano Krüger.

Segundo o jogador, eles já foram alertados de que o encontro, no estádio rival, no próximo domingo, vai ser de muita pegada.

- No jogo aqui, a gente recebeu esse tipo informação e lá é mais ainda: que eles batem muito, que a torcida é "chata" e pressiona ali, no alambrado, perto do campo. Estamos sabendo que vai ser uma guerra - disse.

De acordo com o Robinho, o jogo do Arruda foi uma prévia do que acontecerá em maior proporção no Sul do País. E foi alertado pelos próprios jogadores do Operário-PR.

- Houve um lance, no segundo tempo, numa bola que sofri a falta. Fingi que ia bater rápido, passei a perna por cima da bola, e um jogador deles falou: "Aqui é fácil. Quero ver lá" - afirmou.

O atacante tricolor, porém, não se intimida com a possível hostilidade. Ele garante estar habituado a esse tipo de situação.

- Não me preocupo com isso. Sou um jogador de velocidade, drible, que vai para cima. Sempre fui caçado em campo.

 

Voltar